fbpx

Em relatório inédito, especialistas apontam caminhos para meta climática mais ambiciosa no Brasil

Por: DecarBOOST

Em relatório inédito, especialistas apontam caminhos para meta climática mais ambiciosa no Brasil
15 de outubro del 2021
Vistas

Pedindo maiores esforços de redução de emissões do governo, cerca de 300 especialistas e lideranças políticas, econômicas e da sociedade civil indicam rotas para cortar CO2 até 2030

Por Guilherme Justino, do Um Só Planeta

15/10/2021

Reconhecendo que um clima estável e seguro é requisito imprescindível para o desenvolvimento do Brasil, 150 especialistas e mais de 100 lideranças políticas, econômicas e da sociedade civil lançaram nesta sexta-feira (15/10) um relatório mostrando como é possível aumentar a ambição ambiental do país – e que esse esforço pode trazer uma série de benefícios.

O relatório “Clima e Desenvolvimento: Visões para o Brasil 2030” buscou construir possíveis cenários que levam em consideração a redução de emissões de gases do efeito estufa e os vários impactos econômicos e sociais que podem derivar de diferentes decisões.

Os participantes buscaram identificar, discutir e propor as oportunidades e desafios para uma transição do atual modelo de desenvolvimento do Brasil para um modelo de zero emissões líquidas. Para isso, construíram “cenários de aposta” à luz dos interesses nacionais e das responsabilidades comuns de enfrentamento às mudanças climáticas.

Foram desenvolvidos três cenários de emissão de gases do efeito estufa no Brasil até 2030. O objetivo é contribuir para um aumento da ambição de mitigação brasileira. Atualmente, a Contribuição Nacionalmente Determinada do Brasil, que reúne as nossas metas climáticas, são consideradas “muito insuficientes” para ajudar o mundo no combate às mudanças climáticas.

Os cenários são os seguintes:

  • Cenário de Referência (REF), que não considera medidas adicionais de mitigação e alcança 1,7 Gt CO2eq (bilhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente) emitidas em 2030, acima do compromisso assumido na NDC (1,6 Gt CO2eq);
  • Cenário de Mitigação Adicional 1 (CMA1), que fica abaixo desse limite, atingindo 0,96 Gt CO2eq em 2030;
  • Cenário de Mitigação Adicional 2 (CMA2), ainda mais ambicioso, que propõe chegar a 0,50 Gt CO2eq em 2030.

A iniciativa esboçou, a partir disso, uma estratégia de desenvolvimento compatível com a trajetória de emissões de gases do efeito estufa até 2030, que leve à neutralidade de emissões em 2050. Como pano de fundo, conforme os especialistas, é possível esperar maior geração de empregos, redução de desigualdades e melhoria da qualidade de vida dos brasileiros.

“Estes cenários e sugestões de agenda pública serão comunicados, nacional e internacionalmente na COP 26, para um amplo público, mostrando caminhos viáveis de orientação do nosso desenvolvimento, compatíveis com o Acordo de Paris e fortalecendo o Brasil frente a uma nova economia global”, aponta o relatório.

Como cortar as emissões brasileiras

No cenário que não prevê mudanças dentro do que o Brasil já vem apresentando (REF), espera-se um aumento do desmatamento anual até 2023, com ligeira queda de 2023 a 2025 e estabilidade até 2030. Não haveria precificação explícita do carbono nem novas políticas climáticas até o final desta década.

Em um cenário que contempla ações mais ambiciosas na área ambiental por parte do governo brasileiro (CMA1), espera-se 66% de redução de emissões em 2030, em relação à 2005, com crescimento econômico, de empregos e de renda. Haveria não só ações de mitigação, mas também políticas de cuidado e proteção de povos e populações tradicionais responsáveis pela gestão de territórios, medidas de transição e de segurança energética para comunidades periféricas e outros.

No cenário mais otimista (CMA 2), que prevê retomada econômica com transição justa e taxa anual de desmatamento zero na Amazônia e Mata Atlântica, haveria 82% de redução de emissões até 2030, compatível com emissões líquidas zero em 2050. A maior parte das reduções de emissões viria de mudanças no uso da terra e silvicultura, pois apresentam o maior potencial de mitigação com baixo custo de redução de emissões.

Segundo os especialistas, o processo de consultas técnicas e políticas evidenciou que não é necessário escolher entre desenvolvimento e descarbonização. Na realidade, esses caminhos são complementares e se potencializam. Mais do que isso, é desejável que o Brasil realize uma transição para baixo carbono o quanto antes, para qualificar seu desenvolvimento e se tornar mais competitivo na corrida climática global.

“É um primeiro passo. É nosso desejo que esses cenários sejam, em uma próxima etapa, comunicados a quem mais sofre com o problema da mudança do clima, em uma linguagem próxima de suas realidades, e discutidos em mais espaços e com mais grupos sociais. Seguiremos buscando tratar das soluções concretas que entrelaçam emissões, pobreza energética, saneamento, cultura, segurança pública, racismo e assim por diante”, completa o documento.

O processo de criação do documento contou com a participação de 10 organizações sob a condução do Centro de Estudos Integrados sobre Meio Ambiente e Mudanças Climáticas (CentroClima) do Programa de Planejamento Energético da Coppe/UFRJ e do Instituto Talanoa, com apoio do instituto Clima e Sociedade (iCS).

Ao longo de aproximadamente dois meses, o grupo de cerca de 300 políticos, pesquisadores, ambientalistas, economistas, entidades e representantes de indústrias, do agronegócio e do mercado financeiro se reuniram com regularidade para discutir uma nova meta climática para a economia brasileira até 2030 – proposta agora com o relatório “Clima e Desenvolvimento: Visões para o Brasil 2030”.

Comparte:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Categorías:

Meta climática
Português