fbpx

O futuro dos investimentos para a descarbonização na América Latina

O futuro dos investimentos para a descarbonização na América Latina
15 de julho de 2021
Vistas

Sobre o evento

Neste evento moderado por Margarita Cabrera, Gerente do Programa de Financiamento Climático do CCAP, DecarBOOST convidou líderes de opinião que trabalham na América Latina e no Caribe para refletirem sobre o futuro dos investimentos para a descarbonização da região até 2050:

  • Graham Watkins, Chefe da Divisão de Mudança Climática do BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento
  • Jack Balsdon, Associado Sênior em Mudança Climática da PRI – Principles for Responsible Investment
  • Marcela Jaramillo, Associada Sênior, 2050 Pathways Platform
  • Marta Torres Gunfaus, Pesquisador Sênior em Clima e Energia, IDDRI – Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Relações Internacionais


Graham Watkins explicou como o BID aborda a questão da descarbonização e a ação da mudança climática para o futuro. Ele nos convidou a pensar sobre o planejamento em longo prazo e como vamos reavivar as economias em um período pós-pandêmico. Graham compartilhou alguns documentos de interesse, como a visão de 2025 que o BID desenvolveu para ajudar os países da América Latina e Caribe a sair de forma sustentável da crise, da pandemia; seria útil olhar para o Plano de Ação sobre Mudança Climática, que tenta vincular os conceitos de alinhamento com o Acordo de Paris com o conceito de recuperação sustentável. Uma análise do que aconteceu durante a pandemia foi publicada recentemente, mostrando números chocantes, tais como que 1,2 milhões de pessoas morreram em consequência da pandemia, enquanto a região tem oito dos dez países mais afetados em termos de mortalidade per capita pela pandemia.

Mas a pandemia nos traz a oportunidade de realizarmos mudanças fundamentais. Por exemplo, cada dólar de investimento em resiliência pode reduzir $4 em custos futuros, o que é fundamental quando temos que reagir em caso de desastres. Um estudo que fizemos com a Organização Internacional do Trabalho concluiu que 15 milhões de novos empregos líquidos podem ser gerados na região através da descarbonização. A descarbonização pode aumentar o crescimento econômico em 1%. Em nível de país, estamos vendo os mesmos resultados; na Costa Rica, vemos que os impactos líquidos valem US$ 41 bilhões em 30 anos, e não apenas isso traz muitas oportunidades para investimentos do setor privado: US$ 19 bilhões de oportunidades do setor privado para o futuro. Acabamos de concluir uma análise semelhante no Peru, onde vimos resultados de 140 bilhões de benefícios ao longo do tempo. Portanto, e continuaremos a fazer esse tipo de análise, ela nos mostra que esta é a direção que devemos seguir, por todos os benefícios que a descarbonização traz.

Para Marcela Jaramillo da 2050 Pathways Platform, a descarbonização não só é econômica e tecnicamente viável, mas também deixou de ser um tema de debate para se tornar uma realidade em mais de 130 países que se comprometeram a atingir as emissões líquidas zero até 2050; na região, nove países estão trabalhando no desenvolvimento de suas estratégias de longo prazo. É um processo vivo que precisa ser reavaliado periodicamente e as lacunas preenchidas. É um processo complexo que terá questões que terão de ser resolvidas ao longo do tempo.

Enquanto se fala em descarbonizar toda a economia, reduzindo as emissões a zero emissões líquidas, pode parecer um pouco abstrato, pode-se pensar nos cinco pilares da descarbonização, como eles são frequentemente chamados. Marcela propôs, como um bom começo, a descarbonização da matriz de geração de eletricidade, expandindo fortemente o uso de energia renovável. Em segundo lugar, e paralelamente ao acima exposto, eletrificando todos os usos de energia, para fazer uso desta energia renovável; por exemplo, eletrificando o transporte, mas também a indústria, as casas; eletrificando o uso de caldeiras, aquecedores ou outros elementos que podemos usar com tecnologias elétricas. 

O terceiro passo, que traz múltiplos benefícios de desenvolvimento, é expandir o uso do transporte público e não motorizado em nossas cidades e regiões, o que é essencial para alcançar a descarbonização oportunamente. O quarto passo é reduzir o desmatamento e promover o reflorestamento e a restauração de ecossistemas ricos em carbono. E a quinta envolve aumentar a eficiência em diferentes processos, o que inclui, por exemplo, mudar o uso de materiais, ou mudar nossas dietas para um consumo menos intensivo de carne. Assim, estes cinco pilares nos mostram de forma sintética o que significa a descarbonização.

Marta Torres Gunfaus, do IDDRI, destacou um projeto de pesquisa, também apoiado pelo BID e pela Plataforma Francesa e Agência de Cooperação, que propõe basicamente rotas de descarbonização profundas para Argentina, Equador, Costa Rica, Colômbia, Peru e México, que além de mostrar que a descarbonização é técnica e economicamente viável, define as implicações da escolha de uma ou outra rota.

As trajetórias de descarbonização profunda colocam o desenvolvimento e com ele a redução da pobreza e das desigualdades em primeiro lugar, e depois quaisquer outros objetivos, sejam nacionais ou setoriais que o país possa ter. Na prática, não é um exercício de identificação de medidas de mitigação a partir de uma linha de base e baixando, mas sim uma tentativa de entender como transformar a economia para atingir múltiplos objetivos. Portanto, a descarbonização que não anda de mãos dadas com estes objetivos prioritários de desenvolvimento não tem lugar. É possível encontrar medidas para garantir que os custos da transição não recaiam sobre as populações mais vulneráveis ou sobre as classes sociais mais desfavorecidas. Pudemos ver a importância do que o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas –IPCC e a ciência já nos alertaram: a magnitude do desafio exige uma grande cooperação internacional, que não é suficiente fazer o máximo possível em cada país, mas que devemos de alguma forma garantir que o total de nossa intervenção seja mais do que a soma de suas partes.

Jack Balsdon, do PRI – Principles for Responsible Investment, argumentou que no setor privado estamos vendo uma mudança maciça no momento, em termos do número de atores, que estão se comprometendo com as metas climáticas e com a descarbonização de suas próprias carteiras; um exemplo do que está acontecendo no setor financeiro privado no momento é a campanha global que foi criada pela ONU sobre os campeões de ação climática de alto nível chamada a Corrida a Zero ou Race To Zero, uma campanha desenhada para catalisar os compromissos líquidos zero de todos os atores da economia e que busca que investidores, empresas, cidades devem catalisar compromissos líquidos zero que sejam credíveis.

Estes atores declararam compromisso com o zero líquido até 2050, eles se comprometeram a implementar uma estratégia para esboçar como atingir este objetivo. Estamos vendo uma mudança maciça no número de atores do setor privado que estão se comprometendo através da Corrida a Zero, o que é um grande progresso. 250 instituições financeiras se comprometeram a fazer parte da campanha Race to Zero. E estes são compromissos de todos os aspectos do sistema financeiro: proprietários de ativos, seguradoras, fundos de pensão, doações, fundos soberanos, gestores de ativos, bancos e seguradoras. Assim, estamos começando a ver todas as áreas da economia, começando a assumir compromissos de descarbonização, e a transição para o zero líquido, o que é realmente importante.

Mas, é claro, para que o capital flua, precisamos também que os governos façam emendas, porque os investidores muitas vezes esperam que os governos deem sinais políticos, o que então dá aos investidores confiança para investir na transição. Assim, os investidores pedem uma série de coisas aos governos. E, claro, o principal é que eles atualizam seus CNDs antes da COP, com CNDs ambiciosos e com uma estratégia clara sobre como eles vão conseguir isso. Portanto, precisamos de CNDs ambiciosos que nos coloquem no caminho do zero líquido até 2050. Mas também precisamos de estratégias de implementação de políticas mais detalhadas sobre como vamos conseguir esses CNDs. O setor financeiro está apelando aos governos para iniciativas como a remoção dos subsídios aos combustíveis fósseis para permitir que o capital flua para a infraestrutura de energia limpa, metas de eliminação progressiva do carvão térmico, metas de eliminação progressiva dos veículos com motores de combustão interna, etc. Precisamos pensar em uma transição justa, em que todas as comunidades e trabalhadores não devem ser deixados para trás. Estas são as tarefas que os investidores estão pedindo que os governos façam para dar-lhes a confiança necessária para investir na transição.

Vídeo do evento

Materiais do evento

Mapeamento Visual

Guia de vídeo

Newsletter

13 / 07 / 2021
Vistas
Durante el Foro Anual de Inversiones, parte del evento central nexos+1 2021.

Apresentações compartilhadas

Faça o download do resumo da sessão (ES)

Índice

Compartilhe nossos eventos em:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Categorias: